The Stooges - The Stooges [1969]


The Stooges - The Stooges [1969]

Banda: Americana
Produtor: John Cale, Jac Holzman, Don Galluci e Iggy Pop
Formação da Banda: Iggy Pop – Dave Alexander – Ron Asheton – Scott Asheton
Posição na Billboard: Não encontrado

60's Hotel: Stooges é uma banda estranha de se comentar. Ou melhor, nem tanto: ela sim é que pode ser chamada de aborto elétrico. Eram tão indiferentes no palco quanto o público que ia assisti-los, tanto que eles transformaram suas primeiras apresentações em happenings políticos e humoristicamente incorretos, atingindo a quintessência da bizarrice em seus momentos de exibicionismo, mergulhos suicidas no meio do público e excêntricos rituais de auto-flagelação - da parte do Mr. Iggy. Foram descobertos por um executivo da Elektra Records, Denny Fields, que foi à Detroit atrás do MC5 e, depois de ser contagiado pela performmance deles, acabou convidando a turma de Iggy Pop para gravar um disco pelo selo.

O primeiro problema: para um álbum, eles tinham, apenas cinco músicas - que, por sinal, era todo o repertório da banda.

O segundo: ter que compor mais quatro. Iggy tentou em vão convencer o produtor, John Cale (sim, ele mesmo)parceiro de Lou Reed nos melhores discos da Velvet Underground, a gravar os temas, o verdadeiro suprassumo em termos de rock barulhento, garageiro e elementar (I Wanna Be Your Dog e seus quatro acordes) da melhor (pior?) espécie - no viria ser a maior característica Punk Rocker - com a mesma performance ao vivo, mas foram prontamente rechaçados. Sem saída, em tempo recorde eles compuseram, ensaiaram e gravaram "Real Cool Time", "Not Right" e "Little Doll". Cale mixou o disco, e a gravadora não gostou nada do resultado. Sobrou para Iggy, junto com o dono do selo, Jac Holzman, salvar aquele maldito feto abjeto, fedorento e ranhento e lançá-lo. Resultado: o disco passou batido. Assim como aconteceria com o seu sucessor, Fun House. Pois deu no que deu. Na época, ninguém ouviu, ninguém comentou; passou literalmente batido. Ou seja, era um aborto que tinha tudo para não dar certo, certo? Errado. Só uns quatro anos depois é que alguém ia parar para ouvir petardos como “No Fun”, “Ann” e a super-ultra-cool “Not Right”. Mas o tempo cuidou de desfazer tamanha injustiça. Como todos sabem, anos depois eles seriam considerados os criadores do punk avant le lettre. Os wah wahs stoogianos mostravam que o moribundo e puído flower power já estava com dias contados (a pá de cal seria em Altamont), só não viu quem não quis. Azar dos puristas: a verdade é que os Stogges estavam certos o tempo todo, e pra quem escuta este disco hoje em dia pode dizer que, claro são músicas simples de poucos acordes muitas distorções, performances pra lá de malucas, mas não podemos esquecer que estamos falando de 1969 ano em que bandas atravessavam todo virtuosismo e loucura da psicodelia, e o Super Stooges, claro junto de outras bandas na minha opinião, estava projetando algo que quase dez anos depois tomaria conta e seria a primordial transformação e revolução cultural e musical da história - O Punk.



_-_

Nenhum comentário:

Postar um comentário